Bate-papo com André Midani na FNAC

midaniAmanhã, dia 11 de novembro, André Midani, autor de “Música, ídolos e poder – Do vinil ao download” (Ed. Nova Fronteira),  estará na FNAC Barra, às 20h, para um bate-papo com Lula Vieira.  Para quem não sabe, a FNAC Barra fica na Av. das Américas, 4666 loja B 101/114 – Barra Shopping.

Depois de 2007 em que as atenções se voltaram para “Roberto Carlos em detalhes” (Planeta), de Paulo Cesar de Araújo, recolhido das livrarias por ação do cantor, agora o alvo é a autobiografia de André Midani. A família do nonagenário Enrique Lebendiger, ex-dono da RGE, exige que o livro de Midani também seja recolhido, pelo fato de o autor dizer que Lebendiger “era figura exótica que não tinha capacidade nem seriedade profissional para acompanhar a carreira de um profissional do calibre de Chico Buarque”.

Na tentativa de chegar a uma solução pacífica, a editora Nova Fronteira propôs um acordo à família de Lebendiger, em que se compromete a retirar das próximas edições da biografia o trecho incômodo. De acordo com a editora, ainda não houve uma resposta.

“Música, ídolos e poder” foi lançado em setembro, com uma tiragem de 30 mil exemplares. O livro é um relato de décadas de atuação no mercado fonográfico brasileiro de Midani, um executivo que passou por gravadoras como Odeon e Phonogram e que, hoje, aos 76 anos, está aposentado. A biografia já vendeu mais de 20 mil exemplares.

Amy Winehouse ganha biografia !?

É isso mesmo. Deu n’O Estado de São Paulo que a cantora Amy Winehouse, que já virou celebridade, porque vive envolvida em escândalos de bebedeira, overdoses de drogas, shows interrompidos, brigas etc., ganhou biografia. O livro foi lançado no Brasil pela editora Globo (claro!), com tradução de Helena Londres. O que vocês acham disso? Tanto escritor bom que não consegue publicar por falta de verba…

O autor, Chas Newkey-Burden, entrevistou o pai e a mãe da cantora, alguns jornalistas, pessoas do show biz e outras ligadas a ela para reproduzir sua carreira artística. Há trechos em que a música é o centro da questão, suas influências do jazz, dos shows bem-sucedidos, da conquista da América e as críticas favoráveis a suas atuações no palco e em gravações. A cantora já foi comparada a Edith Piaf (1915-1963), Judy Garland (1922-1969) e Billie Holiday (1915-1959), mulheres talentosas e conhecidas por sua forte personalidade. O preço é bom (R$ 19,90), já o livro, ainda não se sabe.