Gráficas têm custo milionário para implantar nova ortografia

Onze dias após a mudança na forma de escrever a Língua Portuguesa, o mercado editorial está dividido, muitas empresas já aderiram à nova norma e outras têm como estratégia utilizar o período de três anos para adaptação. Daquelas que já iniciaram as mudanças estão as editoras de dicionários, segundo a International Paper (IP), as encomendas para esse tipo de publicação aumentaram. Segundo estimativa da Câmara Brasileira do Livro (CBL), a conta da adequação, considerando apenas a revisão de conteúdo e a rediagramação pode chegar a R$ 60 milhões. Um valor que corresponde a aproximadamente 4,29% do faturamento do setor que é de cerca de R$ 1,4 bi, verificado no ano passado.

Desse valor, cerca de 50% corresponde ao que o governo federal compra para o programa de distribuição do livro didático. Em 2008, o governo encomendou mais de 108 milhões de livros que custaram quase R$ 720 milhões, os números estão disponíveis no site da Fundação Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão do Ministério da Educação e Cultura (MEC). De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, os livros desse lote ainda não precisam atender à norma porque seu prazo de validade, que é de três anos, terminará na mesma época em que a regra passará a ser obrigatória. A partir do ano que vem até mesmo as compras governamentais deverão seguir a regra.

A outra metade do mercado é a que apresenta métodos diferentes para minimizar os problemas que a adequação do conteúdo dos cerca de 26 mil títulos que estão em segunda reimpressão poderão causar. Segundo a presidente da CBL, Rosely Boschini, essa exigência de investimentos que não inclui um eventual descarte de estoques, chegou em um momento ruim, em que a crise apertou o cinto das editoras.

“O governo já desenvolve um trabalho maravilhoso no campo dos didáticos”, disse a presidente. “Mesmo assim, o mercado editorial ainda carece de políticas públicas para incentivar a leitura no país”, cobrou Boschini. Segundo levantamento da entidade, há uma concentração das livrarias em capitais, cerca de 80% do total de menos de 3 mil. No Brasil, somente o eixo Rio-SP atende de forma adequada a população, o ideal são 10 mil pessoas por loja, hoje a média é nove vezes maior.

 

Estratégia

Entre as empresas que iniciaram a adequação de seus livros está a WMF, que surgiu em janeiro, resultado da divisão da Editora Martins Fontes. A empresa, que lançou 100 novos títulos em 2009, diz que apenas um não foi revisado por estar com as páginas internas todas impressas. O restante está de acordo. Contudo, os outros 800 títulos, herança da divisão do catálogo da antiga estrutura, deverão ser adequados no prazo de três anos, com a reedição. A outra empresa resultante da divisão, a Selo Martins, afirmou por meio de sua assessoria que irá começar a se adequar às novas regras em fevereiro, após a publicação do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP).

O setor de dicionários é um dos mais afetados. Segundo o gerente-geral de negócios para papel de impressão e conversão da IP, Antônio Gimenez, a empresa sentiu um aumento na demanda de vários clientes por papel para a impressão desses produtos. Essa procura ocorreu a partir do início do segundo semestre. Segundo Alfried Plöger, da Melhoramentos e presidente da Abigraf, foi nessa época que a empresa passou a mudar seus produtos. “Procuramos, assim como diversas empresas, escoar os estoques para chegarmos em janeiro com produtos atualizados”, explicou. “Agora, sempre há problemas, alguns livros cuja venda é mais lenta, como os de arte, de preço mais elevado, deverá ter uma parte da tiragem descartada”, revelou.

Na Companhia das Letras o custo da revisão já tem um número: é de R$ 4,5 milhões. “Serão gastos, em média, R$ 3 mil por título, sendo que temos cerca de 1,5 mil livros no catálogo”, revelou o o diretor financeiro, Sérgio Windholz. Porém, ele acredita que esse acordo abrirá a possibilidade de expandir a atuação do livro brasileiro aos países do CPLP. Essa é a mesma expectativa de Boschini, da CBL, que vislumbra um mercado estimado em, ao menos, 240 milhões de pessoas.

Fonte: DCI

Anúncios

Reforma ortográfica já ou não?

Eis a questão… Como trabalho há alguns anos com revisão e copidesque, me deparei com uma situação inesperada ao me posicionar no lado inverso da produção editorial: em vez de ser contratada por uma editora para prestar esse serviço (e, assim, receber as regras de revisão da casa), contratei uma profissional para fazer a revisão final de um livro que estou coordenando e bancando o lançamento (aguardem! em breve postarei detalhes sobre esta minha primeira aventura…).
Quando ela me devolveu o original “rabiscado”, fiquei maluquinha ao ver que já havia feito as correções de acordo com a nova reforma ortográfica! Resolvi, de imediato, consultar o “pai dos burros”. Não pensem que se trata do Aurélio ou do Houaiss… E sim do Mário Feijó, nosso grande professor em relação a tudo o que diz respeito a texto. Vejam a resposta dele:

Lá no CCAA os livros estão saindo no novo acordo. Eu escrevi um livro inteiro do único jeito que sei (o antigo) e entreguei. A revisora ajustou tudo. Eu olho e acho esquisito, vou demorar para me acostumar.
A Record está se preparando para a transição, treinando a mão-de-obra. A Moderna está fazendo a mesma coisa. Os livros para 2009 já devem sair atualizados.
Por enquanto, é opcional usar a ortografia nova ou a antiga. O acordo prevê um tempo para transição. Acho que de cinco anos. A tendência é que materiais novos sejam publicados na nova ortografia.
No momento, a pergunta é: o leitor do seu livro vai estranhar a nova ortografia? Usar a ortografia clássica não prejudicará em nada as vendas e agradará mais ao leitor, tenho certeza.
(…) Se estiver falando do livro que você está editando, eu sugiro seguir a ortografia clássica. No CCAA, fui convencido a seguir o novo acordo porque, para um paradidático, ser atualizado com essas coisas é útil para as vendas. Nos seu caso, fará diferença?

Pois bem… Até 2013 (com certeza!), teoricamente, os livros por impulso parecem estar safos dessa correria maluca rumo aos ajustes ortográficos. Mas, levando a questão à revisora, ela me disse que todos os trabalhos que têm feito para editoras de didáticos e paradidáticos estão com a exigência de já serem padronizados na nova ortografia. Isso vai ao encontro ao que o Mário falou sobre a editora do CCAA…

Quanto a mim, continuo na dúvida do que faço… Satisfaço o leitor acostumado com tremas e afins ou mudo logo o texto, visando à economia nas reimpressões? Me vejo numa situação pior que à de Hamlet: mudar ou não, eis a questão!

O que vocês acham? Como tem sido isso na rotina de vocês como estagiários ou profissionais de editoras?